Estrutura da Libras – parte 2

Como vimos no artigo anterior, a Libras e a língua portuguesa têm diferenças significativas. Após entender isso, podemos agora nos aprofundar mais na estrutura da língua brasileira de sinais e analisar com cuidado algumas regras básicas desse idioma. 

Cinco parâmetros formam a gramática da Libras. A combinação de cada parâmetro forma um sinal, mas não são todos os sinais que utilizam todos os cinco. Os parâmetros são: Configuração de Mãos, Ponto de Articulação, Orientação, Movimento e Expressão Corporal e Facial

Configuração de Mãos: é a forma como a mão fica, ou seja, a posição dos dedos. Todas as letras do alfabeto manual são usadas para formar sinais, mas existem também outras formas, ou outras configurações de mãos, que não fazem parte do alfabeto manual mas que também são usadas para sinalizar algo. Veja o exemplo abaixo: essa forma de mão que vemos no vídeo não faz parte do alfabeto manual, mas a utilizamos para formar o sinal que vemos logo em seguida, que significa algo delicioso ou muito gostoso.

Exemplo 1: CM e Gostoso

Ponto de Articulação: O ponto de articulação quer dizer o local onde o sinal está sendo realizado. Pode ser em alguma parte do corpo, da cintura para cima (com poucas exceções) ou pode ser no espaço acima da cabeça ou à frente do corpo. Veja que interessante esse exemplo que vemos no vídeo abaixo. Podemos ver 3 sinais diferentes. Percebe que todos eles utilizam a mesma configuração da mão? Qual a diferença, então? O ponto de articulação, ou seja, o local onde está sendo feito o sinal. O primeiro é em frente à boca, o segundo é em frente à testa e terceiro é ao lado da cabeça, em frente ao ouvido.  

Exemplo 2: Sábado, Aprender e Ouvinte

 Orientação: Quando fazemos um sinal, a orientação da mão correta é essencial para transmitir clareza no que está sendo sinalizado. Dito de maneira simples, a orientação da mão se refere a qual direção a palma da mão está apontada, isto é, para frente, para a esquerda ou direita, para cima ou para baixo. Veja o exemplo a seguir. 

Exemplo 3: Trabalho e Televisão

No vídeo vemos primeiro o sinal de “trabalhar” e logo em seguida o sinal de “televisão”. Consegue perceber que a forma da mão, o local e o movimento são os mesmos nos dois sinais? A diferença nesse caso é a orientação das mãos. No sinal de “trabalhar” a orientação é para baixo. Já no sinal de “televisão” a orientação é para frente. Além disso, a orientação pode indicar a inversão de significado de determinado sinal. Veja o exemplo abaixo:

Exemplo 4: Querer e Não Querer

Movimento: Muitos sinais têm movimentos, como em todos os exemplos que vimos nos vídeos acima. Mas existem alguns sinais que não precisam desse parâmetro para transmitir um significado. Veja três sinais que não tem movimento e um sinal com movimento no vídeo abaixo.

Exemplo 5: Sentar, Em Pé, Ajoelhar, Caminhar

Expressão Facial e Corporal: Tem se dito que esse parâmetro é um dos mais importantes na comunicação em Libras mas muitas vezes é negligenciado pelos que estão começando a aprender. Pode parecer estranho ou exagerado, mas expressões fazem parte da gramática da Libras e elas fazem toda diferença na hora de expressar sentimento, intensidade e naturalidade, como já dissemos no artigo anterior. Veja alguns exemplos. No primeiro vídeo abaixo vemos três sinais que utilizam os mesmos quatro parâmetros mencionados anteriormente, mas a expressão facial faz com que o significado mude completamente.

Exemplo 6: Sábado, Laranja e Limão

Veja o outro vídeo abaixo: Nele vemos a importância das expressões faciais e corporais para mostrar sentimentos.

Exemplo 7: Alegria, Tristeza, Raiva, Surpresa e Nojo

Como vimos, o sinal nasce da combinação desses parâmetros e conhecê-los pode nos ajudar a nos comunicar com naturalidade com os surdos. A princípio, essas regras podem parecer difíceis de entender ou de colocar em prática, mas falar com as mãos, combinando esses elementos, formando sinais e frases, é uma arte que todos os que desejam podem dominar. No próximo artigo vamos falar sobre outros aspectos importantes da comunicação em língua de sinais.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios estão marcados com *